FUNDO DEMA – Instrumento de Justiça Ambiental na Amazônia

Número 03 da Série Entrevistas sobre a Amazônia. Matheus Otterloo, presidente do Fundo Dema, reflete acerca da natureza do fundo e os desafios que estão postos para a sua consolidação enquanto instrumento de justiça ambiental na Amazônia.

Fonte: http://issuu.com/fundodema/docs/fundo_dema_-_entrevista_matheus_ott

Agroecología y cambio climático

Revista Vol 8 – Especial de SOCLA-REDAGRES

Fonte: http://soclaperu.files.wordpress.com/2013/09/agroecologia-8-nro-especial-resiliencia.pdf

Recursos y desarrollo: Estrategias en la unión suramericana - El reto de elaborar un pensamiento estratégico de la integración latinoamericana pasa por un amplio debate sobre el complejo y polémico tema de los recursos naturales.  La edición No. 488 (septiembre 2013) de la revista América Latina en Movimiento contribuye a este debate, con aportes de la “Conferencia sobre recursos naturales para el desarrollo integral”, que UNASUR organizó en mayo pasado. – América Latina en Movimiento, No. 488, septiembre 2013

Fonte:http://alainet.org/publica/alai488w.pdf

COMÉRCIO DO CLIMA? – Por Ivonete Gonçalves e Philip Reed – Eunápolis – Bahia – 2013

Reflexões estruturais sobre o mecanismo de REDD. Em entrevista à revista IHU On-Line, Camila Moreno propõe um alerta à sociedade sobre o funcionamento do mecanismo de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação –REDD. Por Camila Moreno – Sao Leopoldo – Rio Grande do Sul, 2011

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/images/stories/cadernos/ideias/146cadernosihuideias.pdf

Una Guia para los Pueblos Indígenas – FALSAS SOLUCIONES al CAMBIO CLIMÁTICO: 

Nuestro planeta se está calientando de una forma alarmante, amenzando nuestra sobrevivencia. Lo que hay que hacer es obvio: La contaminación y la destrucción del mundo se deben detener de inmediato. En cambio, hay mucha avaricia, falsas soluciones y mentiras sobre cómo salvar nuestro futuro. Parece que los líderes del mundo se preocupan más por hacer plata que por resolver la crisis climática. Tienes en las manos una guia rápida a la verdad sobre las falsas soluciones al cambio climático. Esas tranzas del mercado permiten que los contaminadores esquiven su obligación de reducir su contaminación, sigan destruyendo la natureleza y al mismo tiempo ganen muchos milliones de dólares. Las Naciones Unidas, el Banco Mundial, las industrias, las empresas multinacionales, los gobiernos y incluso algunas ONGs promueven este fraude climático. ¿Acaso se están cometiendo crimenes contra la humanidad y el planeta y nadie se da cuenta?

Fonte: http://www.wrm.org.uy/pueblos/Guia_Pueblos_Indigenas.pdf

Os senhores da biomassa lutam pra controlar a economia verde:  A ideia de “uma grande transformação tecnológica verde” que possibilita uma “economia verde” está sendo amplamente promovida como a chave para a sobrevivência do nosso planeta. O objetivo final é substituir a extração e refino de petróleo pela transformação da biomassa. Quem vai controlar a futura economia verde? Neste documento conjunto, a Fundação Heinrich Böll e o Grupo ETC mostram quem são os novos ‘senhores da biomassa’ e argumentam que, na ausência de uma governança efetiva e socialmente responsável, a economia verde irá perpetuar a economia da ganância. Publicado por Grupo ETC e Fundação Heinrich Böll, junho de  2012.

Fonte: http://www.etcgroup.org/sites/www.etcgroup.org/files/greco_A4_port4web.pdf

10 alertas sobre REDD para comunidades”: pretende dar informações sobre o tema, resumindo as experiências concretas de diversas comunidades com projetos de REDD em todo o mundo, registradas pelo WRM. A seguir, um resumo desta nova publicação, de conteúdo popular. Quase 300 milhões de pessoas em todo o mundo dependem das florestas tropicais para viver. Mas as grandes empresas, com seus negócios de exploração de madeira, petróleo, gás e carvão, de mineração, de monocultivos agroindustriais – de árvores ou alimentos -, de pecuária industrial, de grandes represas hidrelétricas, estão saqueando e destruindo as florestas:

Fonte: http://www.wrm.org.uy/publicaciones/10AlertasREDD-port.pdf

Projeto para fracassar ? os conceitos, praticas e controversias por tras do comercio de carbono – Esta  versão  abreviada  do  livro  Trading  Carbon  explica  os mecanismos por trás do comércio de carbono e por que estes  não  são  capazes,  nem  de  atingir,  nem  mesmo  de servir  de  gatilho  para  as  mudanças  estruturais  necessárias para superar a dependência de nossas economias dos combustíveis fósseis em tempo hábil.junho de 2011:

Fonte: Projetado para fracassar? Os conceitos, práticas e controvérsias por trás do comércio de carbono

Quem ganha e quem perde com o REDD e Pagamento por Serviços Ambientais?:  É esta a lógica de transformação  da natureza em mercadoria: fazer  com que ela possa ser comprada  e vendida no mercado global.  A natureza passa a integrar a  proposta de uma economia  “verde” ou “de baixo carbono”. Esta frase resume este documento de Sistematização das Convergências do Grupo Carta de Belém extraídas do seminário sobre REDD+ e Pagamento por Serviços Ambientais X Bens Comuns Brasília, 21 e 22 de novembro de 2011

Fonte: Quem ganha e quem perde com o REDD e pagamento por serviços ambientais?

Economia Verde: A nova cara do capitalismo: Lançado pelo Jubileu Sul Brasil, esta cartilha reúne textos que desmascaram o discurso do capital de desenvolvimento sustentável e de que a economia verde é a única alternativa existente. Com textos explicativos e que abordam as contradições do atual modelo de sociedade, a cartilha traz ainda quais são as reais alternativas existentes que contemplam o crescimento de uma sociedade igualitária, com responsabilidade, justiça social, ambiental e econômica, fevereiro de 2013:

Fonte: http://www.pacs.org.br/2013/02/07/economia-verde-a-nova-cara-do-capitalismo/

Pagamento por “Serviços ambientais” e Flexibilização do Código Florestal para um capitalismo “verde”: A Terra de Direitos apresenta este subsídio sobre Pagamento por Serviços Ambientais por acreditar que o tema poderá modificar radicalmente a forma de lidar com o meio ambiente, o uso e a ocupação do solo e com os conhecimentos tradicionais e modos de vida associados à conservação e ao uso sustentável da biodiversidade Por Larissa Packer – Terra de Direitos, agosto 2011

Fonte: http://terradedireitos.org.br/wp-content/uploads/2011/08/Analise-PSA-CODIGO-Florestal-e-TEEB-_Terra-de-direitos.pdf

O lado B da Economia Verde: Roteiro para uma cobertura jornalística critica da RIO+20 – A Economia Verde está em pauta. Com ela, as questões e os conflitos que envolvem o emergente mercado de carbono e a aplicação de instrumentos econômicos de compensação ambiental como Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação, Conservação, Manejo Florestal Sustentável, Manutenção e Aumento dos Estoques de Carbono Florestal (REDD+), Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). Esta publicação traz definições, iniciativas no Brasil e fontes de informação com a intenção de contribuir para uma cobertura jornalística mais qualificada Por Dawid Bartelt – Diretor da Fundação Heinrich Böll Brasil e Marcel Gomes – Coordenador de projeto da Repórter Brasil.

Fonte: http://reporterbrasil.org.br/documentos/oladobdaeconomiaverde.pdf

Mudanças Climáticas e Mecanismo de REDD como isso afeta você! -

Essa cartilha é um instrumento que ajudará a desmistificar esse tema, introduzir conceitos básicos sobre meio ambiente, mudanças climáticas e os mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) e Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). Bem como despertar sentimentos de responsabilidade perante o meio ambiente a partir da tomada de consciência de que todos fazem parte do ecossistema global e que as ações de cada um refletem em todo o planeta, gerando impacto em toda a humanidade, por GTA – Grupo de Trabalho Amazonico.

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Alguns campos são de preenchimento obrigatório. *

Arquivos

Sobre o Grupo

Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil.

Últimos comentários

CONTATO

O Grupo Carta de Belém é composto por diversas organizações e movimentos sócio-ambientais.

Você pode entrar em contato
conosco pelo email:

>>   cartadebelem@gmail.com