COP25
Notícias

COP 25: espaços da sociedade civil terão debates sobre dados do IPCC, geoengenharia e gênero; Cumbre de los Pueblos ocorre de 4 a 7/12

109

A 25ª Conferência das Partes (COP) da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas/ UNFCCC , que será realizada em Santiago do Chile, entre os dias 02 e 13 de dezembro de 2019, no Parque Bicentenário Cerrillos, iniciou a divulgação de debates e atividades que ocorrerão nos espaços destinados à sociedade civil.

Como em outros anos, o ETC Group, uma organização internacional dedicada à “conservação e desenvolvimento sustentável da diversidade cultural e ecológica e dos direitos humanos”, irá abordar a questão da geoengenharia. Desta vez, destacando a proibição da geoengenharia marinha, que diz respeito a fertilização de oceanos, já que o Chile assinou um protocolo proibindo a geoengenharia em área marinha.

Além da questão da geoengenharia, outro destaque é a avaliação do relatório do IPCC sobre clima e terra, que traz dados que as organizações apontam há tempos, como o papel da agricultura industrial na questão das mudanças climáticas. Anteriormente,  a participação era vista como apenas 9%. Agora, a afirmação é de cerca de 23% vindos dos usos do solo e de que a cadeia agroindustrial como um todo responderia por até 37% do total de emissões. Ainda assim, o percentual é menor se comparado às pesquisas de organizações como a Grain, que apontam que o sistema alimentar industrial responderia por entre 44% e 57%.

Além disso, as soluções que o relatório do IPCC traz são problemáticas, principalmente, acerca de zoneamento ecológico e distribuição de terra a partir das titulações individuais, por exemplo, já que podem ser usadas para fortalecer o discurso da agricultura do solo como sumidouro de carbono e facilitar a questão do REDD e das soluções de mercado no artigo 6º. O IPCC apresenta esses dados de que a agricultura industrial tem participação grande nas emissões justamente para lançar as “soluções” de organização do território de cima para baixo, principalmente pelos acordos de livre mercado União Europeia-Mercosul.

Um seminário de dois dias focado em gênero, mudança climática e os propulsores do desmatamento, destacando os impactos da produção pecuária insustentável, da bioenergia da madeira e da expansão de monoculturas de árvores, também está previsto na agenda de eventos e mobilizações da sociedade civil.

Cumbre de los Pueblos

Neste ano, a Cumbre de los Pueblos deverá ser entre os dias 4 e 7 de dezembro. Anamuri, Via Campesina, CUT e movimentos de mulheres estão na organização do evento paralelo, que tem prevista uma grande marcha de encerramento.

Postagens Relacionadas

Arquivos

Sobre o Grupo

Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil.

Últimos comentários

  • Paulo Lima Sobre o Grupo
    Olá, eu sou um aluno da UFPA e estou fazendo um artigo sobre como conciliar desenvolvimento com sustentabilidade e queria …

CONTATO

O Grupo Carta de Belém é composto por diversas organizações e movimentos sócio-ambientais.

Você pode entrar em contato
conosco pelo email:

>>   cartadebelem@gmail.com