Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI
Documentos

Nota do Jubileu Sul Brasil em solidariedade ao povo Xondaros Guarani

20

O Grupo Carta de Belém apoia e reproduz a baixo a nota de apoio e solidariedade ao povo Xondaros Guarani, da Terra Indígena do Jaraguá, em São Paulo, emitida pela rede Jubileu Sul. O Grupo entende que os retrocessos na política do Estado brasileiro para o povo Xondaros Guarani e, também, para os demais povos indígenas em geral representam grande injustiça e são uma ameaça a eles e ao meio ambiente.

Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI

Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI

A rede Jubileu Sul Brasil expressa seu mais profundo apoio e solidariedade ao povo Xondaros Guarani, da Terra Indígena do Jaraguá, em São Paulo. É inadmissível que uma portaria do Ministério da Justiça anule o direito à terra originária desta população indígena, historicamente explorada e invisibilizada pelo Estado, mas que sempre esteve em luta constante pelo reconhecimento de seus direitos.

Assim que saiu o decreto 683 do Ministério da Justiça que anulou a declaração da Terra Indígena do Jaraguá, cerca de 100 Xondarós se organizaram e na madrugada deste dia 15 ocuparam o Pico do Jaraguá, local onde encontram-se instaladas várias antenas de telecomunicações, entre elas a Globo e Bandeirantes. As lideranças afirmam que só irão deixar o local depois que o Governo Federal voltar atrás e anular o decreto.

Hoje pela manhã, houve reunião com representantes da Segurança Pública e do Meio Ambiente. O Estado se comprometeu a emitir uma nota pública retirando o mandado de segurança de 2016, o que os indígenas consideraram uma vitória, pois representa um processo a menos para eles. Quanto à retirada do Decreto 683 ainda não está nada garantido e esse é o foco central da ocupação indígena na região.

A rede Jubileu Sul Brasil se soma a toda forma de ajuda possível em mais esta luta dos povos indígenas. Uma campanha está arrecadando alimentos e dinheiro para manter o acampamento até que o Governo recue de sua decisão. A conta é do Banco do Brasil, Agência 2307-8, Conta Corrente 8.657-6, em nome de Adriana Nones, do CIMI – Conselho Indigenista Missionário.

Não devemos. Não pagamos.

Nós, os povos, somos os verdadeiros credores.

Jubileu Sul Brasil

15 de Setembro de 2017

Nota original disponível aqui.

Postagens Relacionadas

Arquivos

Sobre o Grupo

Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil.

Últimos comentários

CONTATO

O Grupo Carta de Belém é composto por diversas organizações e movimentos sócio-ambientais.

Você pode entrar em contato
conosco pelo email:

>>   cartadebelem@gmail.com