Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI
Documentos

Nota do Jubileu Sul Brasil em solidariedade ao povo Xondaros Guarani

13

O Grupo Carta de Belém apoia e reproduz a baixo a nota de apoio e solidariedade ao povo Xondaros Guarani, da Terra Indígena do Jaraguá, em São Paulo, emitida pela rede Jubileu Sul. O Grupo entende que os retrocessos na política do Estado brasileiro para o povo Xondaros Guarani e, também, para os demais povos indígenas em geral representam grande injustiça e são uma ameaça a eles e ao meio ambiente.

Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI

Reunião pela manhã de 15/09/2017 no Pico do Jaraguá. Foto: CIMI

A rede Jubileu Sul Brasil expressa seu mais profundo apoio e solidariedade ao povo Xondaros Guarani, da Terra Indígena do Jaraguá, em São Paulo. É inadmissível que uma portaria do Ministério da Justiça anule o direito à terra originária desta população indígena, historicamente explorada e invisibilizada pelo Estado, mas que sempre esteve em luta constante pelo reconhecimento de seus direitos.

Assim que saiu o decreto 683 do Ministério da Justiça que anulou a declaração da Terra Indígena do Jaraguá, cerca de 100 Xondarós se organizaram e na madrugada deste dia 15 ocuparam o Pico do Jaraguá, local onde encontram-se instaladas várias antenas de telecomunicações, entre elas a Globo e Bandeirantes. As lideranças afirmam que só irão deixar o local depois que o Governo Federal voltar atrás e anular o decreto.

Hoje pela manhã, houve reunião com representantes da Segurança Pública e do Meio Ambiente. O Estado se comprometeu a emitir uma nota pública retirando o mandado de segurança de 2016, o que os indígenas consideraram uma vitória, pois representa um processo a menos para eles. Quanto à retirada do Decreto 683 ainda não está nada garantido e esse é o foco central da ocupação indígena na região.

A rede Jubileu Sul Brasil se soma a toda forma de ajuda possível em mais esta luta dos povos indígenas. Uma campanha está arrecadando alimentos e dinheiro para manter o acampamento até que o Governo recue de sua decisão. A conta é do Banco do Brasil, Agência 2307-8, Conta Corrente 8.657-6, em nome de Adriana Nones, do CIMI – Conselho Indigenista Missionário.

Não devemos. Não pagamos.

Nós, os povos, somos os verdadeiros credores.

Jubileu Sul Brasil

15 de Setembro de 2017

Nota original disponível aqui.

Postagens Relacionadas

Faça um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Alguns campos são de preenchimento obrigatório. *

Arquivos

Sobre o Grupo

Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil.

Últimos comentários

CONTATO

O Grupo Carta de Belém é composto por diversas organizações e movimentos sócio-ambientais.

Você pode entrar em contato
conosco pelo email:

>>   cartadebelem@gmail.com